31 de jul de 2011

PERNAMBUCO E ALAGOAS - SECULO XIX



A capitania de Pernambuco se estendia até o Rio São Francisco.......ao norte estavam as capitanias de Itamaracá, Paraíba e Rio Grande do Norte..........mas a prosperidade se deu mais rapidamente em  Pernambuco. As construções mais importantes, as igrejas e os conventos das principais vilas do Nordeste foram reedificadas  e ampliadas, tentando atingir a pompa  e a circunstancia vivida pelo gosto barroco.

Antes de 1630........a linguagem artística era o maneirismo ...usado  na Europa, principalmente em Portugal......esse  gosto artístico era mais visto na arquitetura, com colunas, arcadas e adornos .

Um estilo tecnicamente simples....... nuas paredes brancas, emolduradas por cercaduras em pedra ou pilastras ornamentadas......no interior das igrejas, o destaque ficava por conta dos altares de rico desenho e simplicidade......o ouro coloria os ornatos e nos nichos as mais diversas imagens da devoção do católico português. Uma aristocracia bem diferente se formava ...........produto do gado e da agricultura......ampliada em nobreza com os gratificantes títulos concedidos em papel pelo imperador D. Pedro II.

Essa aristocracia depois de 1654 retornou ao domínio da região e aceitou o barroco como estilo de toda uma cultura......essa  escolha fez ornamentar os interiores com rica talha dourada....... pinturas  e  azulejaria.......transformando em cavernas de ouro as casas religiosas......o barroco vestia todo o Nordeste.

O crescimento do Nordeste e a independência de outros povos de além-mar .....despertou um sentido igual na região.........assim Pernambuco declara, á sua maneira, a independência visível em 1817 e 1824...... perdendo parte de seu território......surgiu assim  a província de Alagoas.....essa separação teve seus efeitos na administração.....mas não na genealogia e  em termos de cultura nunca houve diferenças fortes.

As cidades e as edificações.......igrejas, conventos e mosteiros.......refletiam em Pernambuco e Alagoas o gosto pelo maneirismo e barroco..........a   quantidade de construções levava á busca de diferenças e originalidades......... retábulos de altares eram diferentes e redesenhados........modelos  se multiplicavam em variedade......desde o norte das capitanias até o Rio São Francisco, garantindo unidade de leitura que ainda hoje se percebe.


Acompanhavam a ornamentação interior...........a pintura e o azulejo........formas artísticas que viviam juntas com a talha e a escultura.........ate a criação da província de Alagoas, tudo vibrava com as mesmas imagens..........um  parentesco que não se percebia somente na genealogia das famílias.........mas também no estilo artístico das edificações.

O século XIX começou com a separação entre Pernambuco e Alagoas.....a  criação de novas cidades......... Maceió sede da província.............com o Império brasileiro cada vez maior no interior, um novo gosto artístico se instalou, o ecletismo que espelhava um mundo que se renovava desde a Europa, sendo Paris, o seu centro......... reflexo do poder das grandes casas de negócios e das vendas de esquinas........a  vIda urbana reproduzia, nas províncias , a da corte.......hábitos e costumes obedeciam á Europa ...........o povo do interior buscava emprego nas cidades litorâneas......unindo o rural ao urbano em termos artísticos e cultural.

Para o crescimento do comercio deveria haver novos portos ..........as antigas sedes existentes em determinados lugares do Nordeste não atendiam o exigido..........a cidade de Aracaju substitui a de São Cristóvão e Alagoas do Sul é substituída por uma nova sede Maceió.......que  deveria respirar modernidade e  materializar o ecletismo  de maneira mais marcante do que aquela que se via no Recife..........Maceió nasceu junto com o romantismo do século XIX........ fiel ao ecletismo ....... hoje perdida em boa parte.

Antigos cartões postais da capital mostram a unidade........visível nas ruas do comercio.......da Alegria e do Macena.........no interior a  visão estética se perceber na pequena vila do Barão de Agua Branca........as pessoas  deveriam mudar nos hábitos e costumes..........mas  mudaram os de dinheiro..........instalou-se por toda a parte a pobreza....... em maior quantidade pelo caminho para os centros desenvolvidos.

27 de jul de 2011

ALAGOAS E SUA HISTÓRIA - PARTEII


As vilas e povoados nos três primeiros séculos no nordeste..........eram as igrejas com suas sineiras no horizonte..............depois....... as casas dos mais abastados.......e por último.........o casario de paredes brancas pintadas a cal, da mesma maneira como se fazia nas aldeias lusitanas..........o casario serpenteava nas colinas, chegando a praças, unindo, no circular igrejas e capelas.........ao redor............o canavial deixava verde a paisagem..........e se escutava os rangidos das rodas dos carros puxados por juntas de bois.

As moendas e engenhos eram protegidos por grandes telhados.........formavam novos núcleos de habitações no  meio rural....... estavam também aí as casas-grandes e as senzalas............os engenhos não eram distribuídos nas terras aleatoriamente mas estavam ligados a um sistema econômico que determinava o lugar .

As festas eram parte integrante dos eventos das sociedades urbana e rural................festa de São João.......... Santo Antônio e ainda o Natal de Jesus........festas religiosas e profanas ..........a criatividade e a devoção dos festejos eram impregnados da memoria europeia........... cores que se vestem de barroco na riqueza dos bordados.......em nada diferentes daqueles que constituíam a ornamentação dos altares e dos interiores de igrejas e casas.


O gradual desaparecimento dos engenhos desmontou a paisagem rural e a vida que nela respirava colônia..........as casas-grandes tornaram-se inúteis e caem em ruinas............termina o encanto e um pouco do folclore das festas e das devoções ........resta apenas um pouco de poesia lúdica  nas pessoas que mantem o reisado, a chegança e outras manifestações que deixam gradualmente o povo e se tornam atração para o turismo...........um novo publico que deseja antes de tudo diversão...........diversão nada fiel ao tempo da criação do jogo entre o profano e o sagrado.

24 de jul de 2011

ALAGOAS E SUA HISTÓRIA - PARTE I



O Homem deixa marcas por onde passa.......seja pela grandeza de seus feitos.........seja pela beleza de suas obras.........ele continuará sempre recorrendo ao passado para encontrar seu lugar no presente.....



A história do nordeste do Brasil, principalmente do estado de Alagoas, caminha junto com a história das diversas áreas da região...... a arquitetura....... pintura e outras manifestações  culturais......por muito tempo estiveram ligadas a capitania de Pernambuco....... Porque a região de Alagoas pertencia no inicio a antiga capitania hereditária inicialmente e comandada por Duarte Coelho.....desde 1535.

Portanto não existem diferenças fundamentais entre a arte de Penedo, Alagoas, e a arte de Olinda em Pernambuco........os diversos artistas trabalharam em toda a extensão da capitania desde seus primeiros dias. As influências existentes de outros artistas são visíveis na matriz de Água Branca...........nos seus retábulos de altar entalhados por artistas da Bahia...........contratados pelo barão de Agua Branca, por conta de facilidades de comunicação com aquela capitania.

Duarte Coelho se preocupou com a sustentabilidade da capitania....plantou cana-de-açúcar e  estabeleceu engenhos para cuidar da produção.....e a construção de templos.As áreas escolhidas para assentar vilas..........povoações e cidades estavam vinculadas a aos portos para o transporte dos bens da economia rural para a Europa e a paz com os nativos.


Conhecendo a costa brasileira........Duarte Coelho desceu o sul do litoral e escolheu para dar inicio á sua vila e sede administrativa uma colina com um trecho de mar abrigado. O porto ficava em uma península diante de uma linha de arrecifes que o protegiam.........a logística urbana adotada......porto.......sede.........plantação, era muito moderna para a época .

A Vila de Olinda a primeira criada, foi  edificada no alto de uma colina  e Duarte Coelho a construiu a maneira ainda dos usos da Idade media..........uma torre em pedra e cal onde passou a residir..........diante da torre foi construída a matriz do Salvador do Mundo.......ao fim da rua.......... um hospital e uma igreja dedicada a Nossa Senhora da Misericórdia........no início, o aglomerado criado foi protegido por uma paladiça de madeira desde a torre........cercando o casario e o hospital...........esse modelo determinou a forma urbana também de outras vilas que surgiram depois da sede. Para a sobrevivência da capitania, Duarte Coelho trouxe e plantou ao redor da vila cana-de-açúcar.

O aglomerado cresceu e deu lugar a uma próspera vila, além de outras duas, a de Itamaraca e a de Igaraçu.........vilas criadas sob o mesmo modelo organizacional. Com o passar dos séculos, as terras se encheram de engenhos e com eles os vilarejos de suporte para a vida rural.  Os povoados e engenhos se ligavam uns aos outros por meio de vários caminhos.........verdadeiras teias de concepção moderna, resultado de experiência vivida na Europa..........com o crescimento do comércio vieram o luxo e a pompa e as boas construções. Olinda era uma Lisboa pequena.........e nas demais aldeias os modelos eram seguidos a risca pelos que constituíam a sociedade.

11 de jul de 2011

PENEDO - ALAGOAS

“A cidade se embebe como uma esponja dessa onda que reflui das recordações e se dilata. (...) Mas a cidade não conta o seu passado, ela o  contém como as linhas da mão, escrito nos ângulos das ruas, nas grades das janelas, nos corrimãos das escadas, nas antenas dos pára-raios, nos mastros das bandeiras, cada segmento riscado por arranhões, serradelas, entalhes, esfoladuras”      CALVINO, Italo. As cidades invisíveis.


Com a história conseguimos unir o passado........entender o presente e  projetar o futuro..........

Uma pequena vila ergueu-se sobre um rochedo às margens do rio São Francisco...........a cidade de Penedo conserva um patrimônio artístico-cultural de grande valor............foi palco dos acontecimentos mais importantes do Brasil Colonial...........as marcas dos colonizadores portugueses, holandeses e dos missionários franciscanos, podem ser vistas na arquitetura barroca de conventos e igrejas.

Em 1636, foi elevada a categoria de Vila de São Francisco,,,,, no final do Séc. XVII a vila começa a ser denominada de Penedo do Rio São Francisco....em 1842 foi elevada à categoria de cidade.................encontramos marcas do estilo colonial, barroco, neoclássicas e até exemplares de art-noveau, do final do Século XIX.......as avenidas e ruas reproduzem em linhas sinuosas o traçado do Rio São Francisco.

Penedo exportava.........para o Rio de Janeiro, América e a Europa...........couro, tecidos, peles, tamancos, artefatos de cerâmica, fumo, algodão, farinha de mandioca e outros produtos agrícolas.........tornou-se conhecida no cenário nacional.

Conhecida como pelos historiadores .......Ouro Preto do Nordeste.........Penedo guarda um rico  patrimônio artístico-cultural, que marca a presença dos colonizadores........é considerada como a Capital do Baixo São Francisco e berço de grandes artesãos e literatos.

No século XVII..........Penedo foi centro de música sacra..........através do Convento Franciscano da cidade que também foi o núcleo fundamental de maior importância na educação das letras da Província das Alagoas.


O município possui 13 igrejas no centro histórico e 10 capelas..........outros atrativos são...........o museu do Paço Imperial..........os sobrados antigos..........os edifícios administrativos e a Casado Penedo.no centro histórico esta também o Teatro Sete de Setembro...........primeiro teatro construído em Alagoas.

O conjunto histórico e paisagístico de Penedo é protegido por tombamento federal de 18 de dezembro de 1995.........pela portaria 169 do IPHAN........Penedo constitui a cidade mais rica em patrimônio histórico e artístico dentre os núcleos urbanos ribeirinhos do São Francisco. 



7 de jul de 2011

ROTA DO AÇUCAR - ALAGOAS

O Roteiro Integrado da Civilização do Açúcar......conhecido por Rica......traz três estados nordestinos – Alagoas, Pernambuco e Paraíba – como referência do novo produto turístico. A herança do cultivo da cana-de-açúcar é o tema desse roteiro, o legado cultural adquirido por meio da colonização brasileira fica evidente com a cultura canavieira. remanescentes do século XVIII.

Em Alagoas, as cidades que fazem parte da rota são...... Maceió, Marechal Deodoro, Rio Largo, União dos Palmares, Pilar, Coruripe e Maragogi.

Esse projeto procura ampliar a gama de produtos oferecidos ao turista que visita o Nordeste ......oferecer atividades diferentes do que o turismo de sol e praia........busca resgatar os engenhos e a história da civilização do açúcar.

O grande atrativo da rota é o resgate histórico do processo produtivo do açúcar no Brasil.......conhecer todas as etapas desse processo desde o plantio da cana-de-açúcar, passando pelos engenhos, até chegar nas modernas usinas de produção de açúcar e álcool.

O Roteiro Integrado Civilização do Açúcar em Alagoas....abrange a cultura e história da cana-de-açúcar com visitas a engenhos e comunidades locais.........muitos desses produtos já existem há algum tempo e são comercializados..........mas alguns foram formatados de uma nova maneira integrando novos elementos.

A idéia é transformar os equipamentos existentes em atrativos......... resgatar a culinária típica da época da civilização do açúcar ......doces, licores, cachaça .............e danças folclóricas que fazem parte do acervo cultural da região dos engenhos.

O projeto da rota tem como uma de suas prioridades incentivar a população local no resgate de sua história como fonte de renda.............é o conceito do turismo sustentável.

5 de jul de 2011

SALÃO TURISMO - ROTEIROS DO BRASIL- ALAGOAS


Acontece em São Paulo de 13 a 17 de julho de 2011 a 6º edição do Salão do Turismo - Roteiros do Brasil........ promovido pelo Governo Federal - Ministério do Turismo.......será apresentado os roteiros turísticos dos 27 estados brasileiros..........pacotes e produtos/serviços turísticos e artesanato, os produtos da agricultura familiar e a gastronomia típica, além de assistir a manifestações artísticas de diversas regiões do País.

Gestores, pequenos e microempresários dos Arranjos Produtivos Locais Turismo Costa dos Corais, Lagoas e Mares do Sul e Caminhos do São Francisco vão participar da feira coordenados pela Secretaria de Estado do Planejamento e do Desenvolvimento Econômico e pelo Sebrae  de Alagoas

Alagoas vai apresentar suas belezas naturais, gastronomia, cultura e história....... seus  destinos..............Litorais Norte e Sul, São Francisco, Quilombo e Civilização do Açúcar........e Programas para a Melhor Idade.........também terá seu espaço e divulgará seus roteiros para agentes de viagens e operadores, alem de participar de uma rodada de negócios com temas voltados para o Turismo GLS e Turismo Náutico.


Neste salão a divulgação do destino turístico em Alagoas será também um com jogo da memória com os principais destinos do Estado.....desenvolvido pelas superintendências de Marketing e Produtos da Setur-AL......o público vai interagir e levar para casa como lembrança.


Outra novidade é o Roteiro Integrado da Civilização do Açúcar (Rica-AL).......reestruturado e planejado para a comercialização.........é um resgate da herança histórica da cultura canavieira.......... desde o período colonial que nos antigos engenhos são encontrados casarões, senzalas e capelas....... retrato da fase áurea onde ainda se mantém viva a tradição no preparo da rapadura e cachaça e na utilização do bagaço da cana como matéria-prima para confecção do artesanato.

Para Mell Bezerra...diretora de Produtos da Setur-AL........o roteiro é um retrato da mistura do rústico e moderno fazendo ainda uma leitura da história antiga e com a atual.

Eu estarei lá........até



2 de jul de 2011

JARARATINGA - AL


CADÊ CALABAR?
Documentário - Japaratinga - Alagoas

Ficha Técnica 


Roteiro e Direção:
 Joaquim Alves de Oliveira Neto 

Formado em Psicologia
Professor aposentado do Departamento de Arte da Universidade Federal de Alagoas

Produção: 
Jomani
Rainel Dantas
 
Joaquim Alves de Oliveira Neto
 
Imagens:
 
Onilson Pires
 
Som:
 
Rainel Dantas
 
Edição:
 
Anderson Augusto
 
Elenco:
 
Régis de Souza
Antonio Freire
Pastora Oliveira
Madalena Oliveira

CADÊ CALABAR? 

Documentário: Um resgate da história de Domingos Fernandes Calabar, que tomou o partido dos holandeses durante as sangrentas batalhas entre portugueses e invasores no Brasil Colonial. Preso, Calabar foi torturado, morto e esquartejado, e o povo foi proibido de tocar em seu nome. Hoje, poucos conhecem sua história na região de Japaratinga, palco das lutas de que ele participou.

Conheça Japaratinga: Fundação: 1960 / Localização: Região Leste do Estado, a 115km da capital / 6.799 habitantes / 85km²

Suas origens estão numa colônia de pescadores na região de Maragogi. No início, o povoado chamava-se Japaratuba da Praia. Com o passar dos anos, as famílias começaram a plantar coco, que hoje é tido como um dos melhores de Alagoas. Em 1935, existia um pequeno estaleiro onde eram construídos navios de pequeno porte e barcaças a vela, utilizados no transporte de coco e açúcar. Em 1960, Japaratinga foi desmembrado do município de Maragogi

Vídeo na cidade de jararatinga.......





CAPELA - ALAGOAS


NELSON
Ficção - Capela - Alagoas

Ficha Técnica
Roteiro e Direção:
Thalles Gomes Camêllo da Costa

Capela - Alagoas

Estudante de Direito
20 anos
Produção: 
Carolina Albuquerque
Imagens: 
Sérgio Ribeiro
Som: 
Pastor Tsapa
Edição: 
Charles Northrup
Elenco: 
Elói Borges
Fabio Pereira dos Santos
Pastora Maria dos Santos

NELSON

Ficção: Depois de assistir ao assassinato do pai, Nelson acompanha a sua última procissão em Capela. Resta a ele juntar-se à multidão e fazer mais um pedido à santa.

Conheça Capela: Fundação: 1890 / Localização: Zona da Mata alagoana, a 63km da capital / 18.667 habitantes/ 206,2km²

Capela é conhecida como Terra dos Canaviais, por conta das plantações de cana-de-açúcar, e Princesa do Vale do Paraíba, por ser banhada pelo Rio Paraíba. Acredita-se que as origens da cidade estão relacionadas à construção da capela dedicada a Nossa Senhora da Conceição, erguida por volta de 1750 nas proximidades do local onde hoje se encontra a matriz. Essa igrejinha foi construída por Manoel Ferreira Dessa, pernambucano que se tornou figura influente em Capela. De 1850 a 1890, a população lutou, por meio de abaixo-assinados, para a criação do município. Finalmente, em 16 de outubro de 1890, Capela foi separada de Atalaia. 

Assista ao vídeo..........mostra boa parte da cidade e da cultura de Capela........

1 de jul de 2011

PROJETO REVELANDO OS BRASIS


Em minhas pesquisas achei esse site...........o projeto é maravilhoso............descobri um Brasil repleto de cores.........coloco aqui um pouco sobre o projeto e nas próximas edições um vídeo realizado na cidade de Capela  e outro realizado na cidade de Japaritinga.......ambos em Alagoas.
Revelando os Brasis é um projeto de formação e inclusão audiovisuais de moradores de pequenas cidades. Qualquer brasileiro maior de 18 anos, residente em municípios com até 20 mil habitantes, pode inscrever uma história original real ou de ficção no Concurso Nacional de Histórias.
Os autores das 40 histórias selecionadas participam de oficinas preparatórias de Roteiro, Direção, Produção, Fotografia, Som, Edição, Direção de Arte, Direitos Autorais, Mobilização e Comunicação Colaborativa com o objetivo de transformar suas histórias em vídeos digitais com duração de até 15 minutos. 
Depois, eles retornam às cidades para colocar em prática o que aprenderam, a fim de realizar o filme. Lá, membros da comunidade assumem funções dentro da equipe de produção, contribuindo para execução da obra. Após a edição e a finalização, as obras integram um circuito de exibição aberto e gratuito pelos municípios participantes e pelas capitais dos estados integrantes da edição.   
Para que mais brasileiros tenham acesso ao material, as obras e entrevistas com seus autores são apresentadas em um programa especial realizado pelo Canal Futura em parceria com o Instituto Marlin Azul. Além disso, os vídeos são organizados em um DVD com distribuição gratuita entre os selecionados, organizações sociais e culturais, bibliotecas públicas, Pontos de Cultura, universidades e cineclubes de todo o Brasil.
Desde a criação do projeto, em 2004, foram realizadas quatro edições. A realização é do Instituto Marlin Azul, com patrocínio da Petrobras e a parceria estratégica da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura. O projeto conta também com a parceria do Canal Futura e os apoios da TV Brasil e da Riofilme. Nas três primeiras edições, participaram do projeto 120 cidades de todas as regiões do Brasil.
Estas histórias escritas por seus moradores transformaram-se em vídeos que continuam  a percorrer novas estradas, passando por mostras, festivais, escolas, bibliotecas, pontos de culturas, programas televisivos de várias partes do país e do mundo.
O Revelando os Brasis continua a descobrir lugares repletos de histórias para contar.