14 de jun de 2010

FESTA JUNINA EM ALAGOAS

O governo do Estado e a prefeitura de Maceió reeditam este ano, a parceria de sucesso realizada no São João da capital em 2009. A festa, batizada com o nome de São João - Ói Nóis Aqui Travez, teve início neste sábado (12), na Praça Multieventos, na praia de Pajuçara e se estenderá até o próximo dia 29 de junho. O São João - Ói Nóis Aqui Travez acontecerá em diferentes pontos espalhados pela cidade. Até o dia 22, a festa acontece na Praça Multieventos, onde serão realizados os concursos de Coco de Roda e das tradicionais Quadrilhas Juninas, além de shows com Trios Pé de Serra locais. Já no dia 23 até o dia 29, a programação é realizada no bairro de Jaraguá e no Benedito Bentes, levando ao público as principais bandas de forró do cenário nacional. Na Praça Marcílio Dias, em Jaraguá, um palco alternativo será armado para apresentações de artista da terra, através de uma parceria com movimentos como Folguedos Populares, Baianas e Fandangos. A ornamentação dos ambientes homenageará artistas ligados à cultura nordestina, em especial, ao ilustre forrozeiro alagoano Mestre Zinho. Viégas fala sobre o fomento à cultura local durante as festividades. Ele considera fundamental a participação dos artistas da terra, dos mais variados ritmos e movimentos culturais, em meio aos artistas de destaque do cenário nacional. “Estamos trazendo as principais bandas de forró do Brasil, mas existe uma grande preocupação em valorizar os artistas da terra. Este ano apoiaremos também todos os arraiás espalhados pelo Estado, para incentivar a cultura local durante os festejos juninos”, ressalta o secretário. http://www2.alagoas24horas.com.br/conteudo/

FESTA JUNINA NO NORDESTE II

Três santos são efusiva e intensamente comemorados em junho, em todo o Brasil, desde o período colonial: Santo Antônio, São João e São Pedro. No nordeste brasileiro principalmente, estes santos são reverenciados e pode-se dizer que a importância destas festas, para as populações nortista e nordestina, ultrapassa a do Natal, principal festa cristã, e que elas são, historicamente, o evento festivo mais importante destas regiões, tanto cultural como politicamente. Atualmente comemora-se Santo Antônio do mesmo modo que se comemora São João e São Pedro embora as intenções das festas sejam diferentes. E apesar da religiosidade envolvida, a maior atração, que faz com que todos se reúnam (mesmo os não-católicos) para comemorar as festas juninas são, de fato, as fogueiras, batatas-doces assadas, canjica, quentão, milho verde assado, pipocas, quadrilhas, bumbas-meu-boi, simpatias, fogos de artifício, bombinhas e brincadeiras, enfim, toda a alegria que envolve estas festas. Talvez porque no Nordeste, ainda se mantêm rígidos padrões de comportamento, quebrados temporariamente durante as festas juninas quando, “salvo chuva e salvo engano, a satisfação é geral”. No nordeste brasileiro, a perspectiva das festas juninas transforma as cidades e o espírito das pessoas, que parecem sentir uma irresistível atração e afinidade pela festa. Muitos nordestinos que se encontram fora de seus estados costumam economizar dinheiro, comprar presentes e voltar com eles para sua cidade natal na época das festas juninas, a fim de comemorar os santos. No sudeste é comum que nordestinos abandonem seus empregos, faltem por toda uma quinzena, peçam licença ou ofereçam-se para trocar o período do Natal por alguns dias de folga em junho, ou ainda negociem suas férias para gozá-las no meio do ano e poderem estar presentes às festas juninas, em sua terra O “São João” (modo pelo qual se referem os nordestinos ao ciclo de festas do mês de junho), principalmente, adquire tal importância na vida social nordestina que não apenas é fonte de preocupação durante todo o ano (quando se poupa dinheiro a ser investido na participação na festa ou se organizam eventos a serem apresentados nela), como ainda move interesses políticos e econômicos que poucas vezes se imagina. Amaral, Rita. Festa à Brasileira: sentidos do festejar no país que "não é sério". Disponível em publicação eletronica na Internet, via WWW. URL: http://www.aguaforte.com/antropologia/festaabrasileira/festa.html Capturado em 14/06/2010

FESTAS JUNINAS NO NORDESTE

Junho, mes das festas juninas. Vou aproveitar o blog para contar para voce um pouco do que é a festa junina no nordeste. Maceio esta toda enfeitada, as ruas dos bairros sao lotadas de bandeirinhas, as lojas de rua e dos shoppings tambem estao com roupas tipicas, a decoracao etc.. Nos shoppings andam pelos corredores grupos cantando as musicas juninas e forros, muito interessante. Festas Juninas no Nordeste A festa de São João brasileira é típica da Região Nordeste. Por ser uma região árida, o Nordeste agradece anualmente a São João, mas também a São Pedro, pelas chuvas caídas nas lavouras. Em razão da época propícia para a colheita do milho, as comidas feitas de milho integram a tradição, como a canjica e a pamonha. Além de alegrar o povo da região, as festas representam um importante momento econômico, pois muitos turistas visitam cidades nordestinas para acompanhar os festejos. Hotéis, comércios e clubes aumentam os lucros e geram empregos nestas cidades. Embora a maioria dos visitantes seja de brasileiros, é cada vez mais comum encontrarmos turistas europeus, asiáticos e norte-americanos que chegam ao Brasil para acompanhar de perto estas festas. O local onde ocorre a maioria dos festejos juninos é chamado de arraial, um largo espaço ao ar livre cercado ou não e onde barracas são erguidas unicamente para o evento, ou um galpão já existente com dependências já construídas e adaptadas para a festa. Geralmente o arraial é decorado com bandeirinhas de papel colorido, balões e palha de coqueiro. Nos arraiás acontecem as quadrilhas, os forrós, leilões, bingos e os casamentos caipiras. Atualmente, os festejos ocorridos em cidades pólos do Norte e Nordeste dão impulso à economia local. Citem-se, como exemplo, Caruaru em Pernambuco; Campina Grande na Paraíba; Mossoró no Rio Grande do Norte; Maceió em Alagoas; Aracaju em Sergipe; Juazeiro do Norte no Ceará; e Cametá no Pará. Além disso, também existem nas pequenas cidades, festas mais tradicionais como Cruz das Almas, Ibicuí, Jequié e Euclides da Cunha na Bahia. As duas primeiras cidades disputam o título de Maior São João do Mundo, embora Caruaru esteja consolidada no Guinness Book, categoria festa country (regional) ao ar livre. ( Fonte: Wikipédia)